1/9/2014 07:37

Nobre sofre pressão por demissão, e Gareca deixa de ser intocável

Conselho de Orientação e Fiscalização solicitou a saída do treinador na última sexta-feira, e presidente deverá ouvir novos pedidos em reunião no Conselho Deliberativo

Gareca não consegue fazer o Palmeiras render (Foto: Reginaldo Castro/LANCE!Press)

É cada vez menor o número de defensores de Ricardo Gareca no Palmeiras. Paulo Nobre ouviu pedidos pela demissão do argentino na sexta, em reunião do Conselho de Orientação e Fiscalização (COF), e a pressão deve crescer na noite desta segunda, agora em reunião do Conselho Deliberativo.

Em maio, quando Kleina foi mandado embora, o cenário era o mesmo.

Seja qual for o tema, as "cornetadas" são recorrentes no clube e nem sempre interferem em decisões da diretoria, mas o impacto cresce com a proximidade da eleição, prevista para novembro. Os votos para presidente serão dos sócios, mas os conselheiros mantêm influência nos bastidores: uma chapa com pequeno apoio entre eles dificilmente vencerá a disputa e pode até ser impedida de concorrer (veja mais abaixo).

César Maluco, que faz parte da chapa de oposição liderada por Wlademir Pescarmona, diz já ter escolhido um novo técnico, que é brasileiro.

Contrariar opiniões quase unânimes pode ser um tiro no pé para Paulo Nobre, que tentará se reeleger. Em agosto, ele cedeu à pressão para demitir o diretor de marketing Marcelo Giannubilo. O diretor-executivo José Carlos Brunoro e o gerente de futebol Omar Feitosa, também criticados, não devem ficar para 2015.

Em Gareca, o mandatário segue apostando, mas o técnico já perdeu o status de intocável - tem apenas três vitórias, um empate e oito derrotas, além de estar lutando contra a degola no Brasileiro e em desvantagem nas oitavas da Copa do Brasil, contra o Atlético-MG.

Antes de pensar em romper o contrato, a diretoria vai sugerir mudanças nos métodos de trabalho. Se não der certo, as chances de demissão serão grandes.

- Levar do jeito que está não pode, isso não quer dizer que tenha que trocar treinador. A reação tem que ser imediata, alguma coisa realmente precisa mexer com brios, com o moral, até sistemas se não estiver funcionando - disse Brunoro, que está mais afastado do departamento de futebol, enquanto o vice Maurício Precivalle tomou a frente.

- Nossa tendência é manter treinadores. Lógico que em tudo há um limite, mas neste momento não estamos pensando nesse limite - completou Brunoro, em discurso praticamente idêntico ao que Gareca vinha adotando até sábado, quando se comprometeu a ir com o Palmeiras "até as últimas consequências" se a diretoria não mandá-lo embora.

As eleições:
Os candidatos - Wlademir Pescarmona e Luiz Carlos Granieri já confirmaram candidatura, e Roberto Frizzo deve fazê-lo nos próximos dias. Nobre deve tentar reeleição em novembro.

O filtro - Todas as chapas precisam ser aprovadas por, pelo menos, 15% do Conselho Deliberativo, que hoje conta com cerca de 280 pessoas. Assim, é necessário ter cerca de 40 votos para concorrer. Deve ocorrer em outubro.

Mudança - As chapas agora são fechadas: não é possível votar em presidente de uma e vices de outra. Além disso, pela primeira vez os sócios votam.



Leia também: [ENQUETE] O Palmeiras deveria facilitar a saída de Fabiano para o Internacional?

Leia também: Belluzzo aciona COF para apurar discriminação contra sócia



4347 visitas - Fonte: Lancenet!

Mais notícias do Palmeiras

Notícias de contratações do Palmeiras
Notícias mais lidas

Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui ou Conecte com Facebook.

Últimas notícias